Fanfic também é Leitura - Nova Rubrica

(Foto montada por mim, com imagem retirada do Pinterest)
Eu leio muito histórias online (e também escrevo) e na maioria de escritores amadores. Eu já fiz um post aqui no blogue a falar de sites para ler (podem ver aqui), e a minha ideia é agora mostrar-vos histórias que podem ler nessas plataformas.

Uma fanfic, por norma, é uma história (alternativa) baseada numa que já existe. Por exemplo, de séries, filmes, desenhos animados, mas ultimamente também de famosos. As histórias que vos vou mostrar aqui, nem todas entram nesta ideia que falei anteriormente, mas sim são consideradas "Fanfics Originais", ou seja, uma história normal.

A minha ideia não é julgar histórias é dar-vos a conhecer aquelas que eu mais gostei e porquê. Daí não é uma crítica literária, como faço aos livros, mas sim uma divulgação de conteúdo que eu li e gostei.

Espero que vos possa mostrar um pouco mais da literatura online e novos autores!

Se és escritor (a) de histórias online e gostavas que eu lesse a tua história, basta enviar-me mensagem através do formulário de contacto, disponível na barra da direita, ou através do email do blogue, alilianaraquel@gmail.com .

Tag: 00'


Hoje venho com mais uma tag, desta vez dedicada à minha infância. Já a vi em vários anos, sendo o mais frequente o 90', mas como, apesar de ter nascido nos anos 90, a minha infância, pelo menos a que me lembro, foi nos anos 2000, acho que faz mais sentido fazer sobre esta década.
Vamos então à tag!!

1. Primeira rede social. 
Eu não me lembro bem, mas acho que a primeira foi o Twitter. Eu fui das poucas pessoas que nunca teve Hi5, e mesmo o facebook veio muito mais tarde do que a maioria das pessoas!!

2. Primeiro telemóvel.
Estava no 4º ano, ia fazer 10 anos,  quando tive o meu primeiro telemóvel, uma máquina naquele tempo, e já tinha máquina fotográfica!!
(eu tentei arranjar uma fotografia, mas não consegui 😓)


3. Desenho Animado favorito.
Eu sempre fui doida por desenhos animados, mas aqueles que eu religiosamente assistia todos os dias eram o Oliver e Benji, eu simplesmente adorava aquilo!!

4. Livro preferido.
Os livros dos Cinco eram os meus preferidos, todos por igual. São exactamente iguais aos de agora, mas mais velhos e muito mais baratos.


5. Filme Preferido.
Barbie em o Quebra Nozes, eu adorava aquele filme, mesmo sendo tão diferente da Barbie a que assistimos anos depois, e então se formos comparar com a de agora a diferença é brutal! Foi das primeiras cassetes VHS que tive!

6. Banda Favorita. 
Eu ainda não tinha nenhuma banda favorita. Não havia a internet que temos hoje, e apenas se ouvia o que dava na televisão ou na rádio, e para saber o nome das músicas era um "bico d'obra". Mas eu tive a minha grande, para não dizer gigante, panca pela Floribella, tal como pelas bandas dos morangos com açúcar!

7. Doce Favorito. 
Ainda hoje é o mesmo, Bola de Berlim! Ah, e Gomas!!

8. Princesa da Disney Favorita.
Eu não tinha as cassetes da Disney, tinha das versões "baratas" das mesmas histórias. Grande parte dos filmes eu nunca vi os originais. Mas sempre adorei a Cinderela!

9. Brincadeira Favorita.
Brincar com as minhas bonecas. É do que tenho mais saudades!!

10. Programas de Televisão Favoritos.
Eu sou da geração Morangos com Açúcar, que é logo um dos programas que mais adorava, a combinar com a Floribella e a Rebelde Way!
Convido-vos todos a responder a esta tag!!

Cinema: Barbie - Super Princesa

Título Original: Barbie: Princess Power
Direção: Zeke Norton
Com: Kelly Sheridan, Britt Irvin, Michael Kopsa, Rebecca Husain, Kira Tozer
Género: Animação, Família

Sinopse:
Kara (Barbie) é uma princesa de tempos modernos que tem uma vida rígida exercida pelos seus pais. Certo dia, um dos empregados da família real cria uma poção para ganhar superpoderes e dominar o palácio, porém a poção acaba sendo perdida, caindo sobre uma lagarta, que evolui para uma borboleta rosada capaz de dar poderes toda vez que beija alguém. Kara encontra essa borboleta, e ao receber seu beijo, acorda no dia seguinte com superpoderes sendo capaz de voar, ter superforça e soltar bolas de luz explosivas. Ao mostrar suas habilidades a suas amigas geniais, ela é transformada numa super-heroína nomeada "Super Brilho" passando a usar seus poderes para ajudar os habitantes da cidade vizinha. Porém, a inveja de sua irmã Corinne a faz perseguir a borboleta atrás de conseguir superpoderes para competir com ela.




Trailer:
A Minha Opinião:
Encontrei este filme quando estava a fazer zapping e acabei no canal Panda, achei giro o mote do filme e resolvi dar uma vista de olhos. Ver novamente a Barbie fez-me regressar à minha infância, porque por mais que o tempo passe, eu continuo a gostar de filmes infantis.
Mas vamos à história do filme, aqui a Barbie chama-se Kara e é uma princesa, mas diferente das que estamos habituadas, esta gosta de tecnologia e de desafiar os pais, que são bastante protetores. Assim devido a uma poção criada pelo Barão, que pretende governar o reino, Kara é beijada por uma borboleta (que levou com a poção por acidente) e fica com super poderes. Rapidamente é adorada por todos, tendo vários clubes de fãs. Mas quando a irmã descobre, quer ter também poderes, e ambas acabam por chocar.


Eu gostei bastante da história porque apesar de não abandonar as princesas a Mattel, criou uma princesa diferente, moderna que é capaz de salvar o mundo, fugindo à princesa em apuros que espera o príncipe encantado. Depois a própria Barbie não é perfeita e age bastante mal quando a Brilho Negro aparece, pois não gosta de perder o protagonismo.
Resumindo gostei bastante da nova Barbie, traz às crianças um novo mundo onde as meninas podem ser o que quiserem!
A Minha Classificação:


Crítica Literária: Jamie McGuire - Beautiful Oblivion

Beautiful Oblivion 
de Jamie Mcguire 

ISBN: 9781471133527
Edição ou reimpressão: 07-2014
Editor: SIMON & SCHUSTER LTD
Idioma: Inglês
Páginas: 368
Género: Romance

Compre na Wook:
Livro: 9,61€


Sinopse:
A independente Camille “Cami” Camlin se ausentou alegremente de sua infância antes que ela acabasse. Manteve-se num emprego antes mesmo de poder conduzir, e conseguiu um apartamento próprio antes de seu primeiro ano de caloira na faculdade. Agora como bartender do Red Door, Cami não tem muito tempo para outras coisas além do trabalho e das aulas, até que uma viagem para ir ver seu namorado, no primeiro final de semana de folga, em quase um ano, é cancelada.
Trenton Maddox era o rei da Eastern State University, saindo com as estudantes antes mesmo de se formar no ensino médio. Os seus amigos queriam ser como ele, e as mulheres queriam domá-lo, mas, após um acidente trágico, que deixou seu mundo às avessas, Trenton deixa o campus para superar sua culpa.
Dezoito meses depois, Trenton está a morar com seu pai e a trabalhar num estúdio de tatuagem para ajudar com as despesas. Justo quando ele acha que sua vida está voltando ao normal, ele apercebe-se de Cami sentada, sozinha, numa mesa no Red.

Como babysitter de quarto irmãos, Cami acredita que ela não terá problema algum em manter essa nova amizade com Trenton Maddox apenas platónica. Mas quando um garoto Maddox se apaixona, ele ama eternamente – mesmo quando ela pode ser a única razão para que sua já frágil família tenha seus laços ainda mais enfraquecidos.

A Minha Opinião:
Infelizmente este livro não foi traduzido para português de portugal, provavelmente porque a série não teve o sucesso que obteve no estrangeiro. Desse modo tive de me aventurar numa leitura em inglês, mas para quem não aprecia pode comprar o livro em português do brasil.
A história continua no universo da Abby e do Travis de um Desastre Maravilhoso e a Caminhar para o Desastre, desta vez com o irmão de Travis, Trenton.
Agora o romance é contado por Cami, uma rapariga trabalhadora que vive para o trabalho e para a aulas, mantém um relacionamento com T.J., mas não funciona lá muito bem devido à distância. Por outro lado Trenton, um Maddox, que para quem conhece a família sabe bem como eles são. Um Maddox quando se apaixona, apaixona de verdade, e badboy e lindo de morrer, não lhe faltam pretendentes.
Inicialmente Cami, que conhece bem a fama de Trenton, quer apenas manter uma amizade com ele, mas este esta determinado a provar que o namorado dela não é o ideal. Será que vai conseguir?
Quanto às personagens, achei que eram mais consistentes que as nossas conhecidas, Abby e Travis, talvez por serem mais velhas. Cami tem uma personalidade forte, e foi o que mais gostei nela, quanto a Trenton, nota-se que é mais maduro que Travis, mas sempre com aquele charme Maddox!
Algo que gostei muito foi termos acesso a outra visão de cenas que aconteceram nas outras histórias, porque aconteceram na mesma altura e é algo pertinente, e é complicado criar assim um enredo que se envolva.
Aconselho que leiam o livro, sei que é um bocadinho complicado devido ao idioma, mas quem sabe se um dia não editam aqui em Portugal?

A Minha Classificação



Outras Capas


Diogo Piçarra

Diogo Piçarra nasceu em 1990 e ficou conhecido para o grande público devido a ter ganho o programa de talentos "Ídolos" em 2012.
Contudo já em 2009 chegou a participar no mesmo concurso e também tentou a sua sorte na Operação triunfo, mas não conseguiu resultados significativos em nenhuma destas participações, só quando regressou aos Ídolos conseguiu a vitória.
Em 2015 lançou o seu primeiro álbum, intitulado de Espelho, de que são conhecidas músicas como "Eu e tu", "Café Curto" e "Verdadeiro".

Em 2016 lançou um livro, chamado "Diogo Piçarra em Pessoa".
Este lançou o seu mais recente álbum, do=s (dois), escrito e composto pelo próprio, de onde se destacam músicas como "História", "Só Existo Contigo" e "Já não falamos".

Recentemente foi indicado como um dos compositores que estará presente no Festival da RTP da Canção em Março de 2018.









Deixo aqui as playlists de ambos os álbuns dele.


Cinema: Descendentes 2


Título Original: Descendants 2
Direção: Kenny Ortega
Com: Dove Cameron, Mitchell Hope, Cameron Boyce, Sofia Carson, Booboo Stewart, China Anne McClain
Género: Musical, Familia

Sinopse:

Ben agora Rei de Auradon, Mal, Evie, Carlos e Jay continuam a estudar juntos enquanto vivem grandes aventuras.
Inesperadamente, Mal sente muita pressão ao tentar não ser má, e por isso regressa à Ilha dos Perdidos. A ilha agora encontra-se com um grupo liderado por Uma,  a filha de Úrsula, Harry Gancho, filho do Capitão Gancho, Gil, filho de Gaston.
Eles sentem-se rejeitados por não terem sido escolhidos por Ben para ir a Auradon com Mal, Evie, Carlos e Jay, e estão dispostos a tudo para destruí-los.
Quando Mal, Evie, Carlos e Jay descobrem que Uma, Harry e Gil raptaram Ben, eles unem-se para salvar Ben, e lá contarão com a ajuda de Lonnie, filha de Mulan, para resgatar o rei e voltarem seguros para Auradon.


Trailer:

A Minha Opinião:
Eu apesar dos meus 20 anos continuo a adorar a Disney, e depois de ter visto o primeiro filme, fiquei com bastante curiosidade para ver o que ia acontecer a seguir com os filhos dos grande vilões da Disney!
O filme continua a história passada no outro filme, onde a Mal (filha da Maléfica) se torna uma boa pessoa, e começa a namorar com Ben (Filho da Bela e do Monstro). Contudo a sua vida de princesa está longe de ser um mar de rosas. A pressão para que ela seja o que realmente não é, é tanta que ela resolve deixar tudo e voltar à tua terra natal, a ilha dos perdidos.
Enquanto isso, na Ilha dos perdidos, Mal, deixou alguns inimigos, mais precisamente Uma (Filha da Úrsula), que a odeia por não ter sido escolhida para ir para Auradon, e quer vingar-se.
As minhas expectativas para este filme eram altas, toda a história de serem maus e tornarem-se bons era interessante, mas a história de amor entre a Mal e o Ben era aquele ponto alto. Eu não me desiludi com o filme, este tem muita mais acção que outro, e mais mauzões, mas pareceu mais pequeno (que na realidade não é).
Quanto às personagens, gostei muito do facto de mostrarem que a inadaptação da Mal a Auradon, o que lhe traz mais humanidade, na minha opinião. Mostra realmente que nem tudo é perfeito, e que não devemos esquecer de onde viemos, e que existe algo que nos faz especial.
Quem não viu o filme, ele vai voltar a passar na Disney certamente, afinal eles repetem os filmes milhares de vezes, por isso é só estarem atentos!
A Minha Classificação:


5 Séries da Disney que Deixaram Saudades #2


Depois de ter feito uma primeira versão das séries da Disney que deixaram saudades, venho com uma parte dois em homenagem ao canal “Disney Forever” disponível na MEO (posição 49) até dia 15 de Outubro. É um canal que transmite séries antigas da Disney, como a maioria das que mencionei no outro post, e 3 das que vou mencionar hoje!

1. Jonas
Eu sinceramente não conhecia a banda antes da série, mas fiquei a adorar. Não era uma daquelas fãs que andava sempre em cima do que eles faziam, mas gostava das músicas.
A série foi transmitida tanto no canal Disney Channel como na SIC. Atualmente está a ser repetida no canal Disney Forever.
A série era sobre três irmãos, Joe, Nick e Kevin que tinham uma banda (exatamente todos os nomes reais), e que durante o dia iam à escola como qualquer outro adolescente americano. Basicamente era sobre as peripécias deles, e nas confusões que se metiam. Na segunda temporada eles mudam-se para Los Angeles, e é uma versão de férias, mas as confusões não mudam.
Foram criadas canções na série que ficaram conhecidas, como “I Left My Heart in Scandinavia” e “Live To Party”.
A série foi cancelada em 2010 devido às baixas audiências, e ao facto da banda se querer dedicar mais à música.

2. Boa Sorte Charlie!
É uma das minhas séries preferidas da Disney de sempre.
Estreou em Portugal em Outubro de 2009, e foi transmitida tanto pelo Disney Channel como pela SIC, estando atualmente a ser novamente passada no novo canal da Disney.
A série conta a história de Teddy, PJ e Gabe, três irmãos que se veem com um novo integrante na família a irmã mais nova Charlie. A família Duncan é tão imprevisível e louca que Teddy decide fazer vídeos para ajudar a irmã a sobreviver à família. A série teve 4 temporadas, e na quarta chegou o 5º irmão, o Toby.

3. Lizzie McGuire

A série foi transmitida em 2001 pelo canal Disney Channel.
A série conta a história de Lizzie McGuire, uma rapariga de 13 anos que atravessa o turbulento mundo da adolescência, abordado nasérie com tecnologias originais e um personagem animado que é o porta-voz do universo interior de Lizzie. Enquanto Lizzie enfrenta os conflitos próprios da adolescência, seu alter ego representado por um personagem animado, revela seus pensamentos e sentimentos mais íntimos.
Teve 2 temporadas, estando no ar até 2004, e teve inclusive um filme, intitulado de The Lizzie McGuire Movie.

4. Cory na Casa Branca 

A série foi transmitida pelo canal Disney Channel. Tendo tido 2 temporadas estando no ar até 2008. É o primeiro spin-off de uma série da Disney, neste caso das “Visões da Raven”.
A série conta a história de Cory Baxter, o irmão de Raven, que vai com o pai para Washington D.C., pois este vai trabalhar como chefe para a casa branca. Ele acaba por criar novos amigos, apaixonar-se por Meena, a filha de um embaixador, e acaba por se deparar com muitas peripécias!

5. Shake it Up! 

A série foi transmitida em Portugal pelo canal Disney Channel e pela SIC, entre abril de 2011 e abril de 2014, tendo tido 3 temporadas e contabilizando cerca de 77 episódios.
Conta a história de Cece Jones e Rock Blue, duas amigas adolescentes que adoram dançar e que conseguem um trabalho como dançarinas num programa de televisão chamado “Shake it up Chicago”. Contudo a história não se baseia apenas nas danças, mas também nas confusões em que estas duas amigas se metem, arrastando os outros amigos mais próximos.
Muito se falou de um possível filme da série, mas tal nunca chegou a acontecer.

E para vocês, qual a série que deixou mais saudades?


Crítica Literária: Elizabeth Adler - Uma Casa no Campo

Uma Casa no Campo
de Elizabeth Adler 

ISBN: 9789897261268
Título Original: A Place in the Country
Edição ou reimpressão: 07-2014
Editor: Quinta Essência
Idioma: Português
Páginas: 376
Género: Romance

Compre na Wook:

Livro: 15,90€
Ebook: 11,90€

Sinopse:

Issy, de quinze anos, e a mãe, recentemente divorciada, lutam por encontrar o seu caminho e o seu lugar na vida, sozinhas e em conjunto. Aos trinta e oito anos, com pouco dinheiro e a braços com todas as responsabilidades, Caroline tenta reconciliar-se com a nova situação em que se encontra. Ao decidir deixar para trás a desafogada vida que levava em Singapura (bem como o seu infiel marido e a amante de longa data), acaba a viver no pub de uma aldeia inglesa, trabalhando como chef para ganhar a vida, conhecendo as pessoas mais pitorescas da zona e fazendo amigos. Porém, Issy adora o pai e secretamente culpa a mãe pela reviravolta operada na sua vida. Ao mesmo tempo que o sonho de Caroline de converter um velho celeiro num restaurante começa a tomar forma, a sua oportunidade de ser feliz é posta em causa por rumores de vingança e homicídio. Quando Issy, a meio caminho entre a adolescência e a idade adulta, começa a fazer algumas escolhas arriscadas, a situação complica-se ainda mais.

A Minha Opinião:
Foi o primeiro livro que li da autora, apesar de ter bastantes na minha lista de futuras leituras, este foi comprado numa promoção. Se já repararam a maioria dos meus livros são comprados em promoções ou coisas do género, eu adoro pechinchas!
Os livros da Elizabeth têm todos capas tão, mas tão lindas, que só de olhar me apaixono!
Este livro conta a história de uma mãe e de uma filha que se vêem numa nova vida, longe de casa, da sua boa vida, e nem tudo é um mar de rosas. Caroline, a mãe, ao descobrir uma traição do marido, sai de casa, e traz consigo a sua filha Issy, que não concorda com nada e está sempre contra a mãe, culpando-a por o que acontece. Num dia de chuva acabam por parar numa aldeia Inglesa onde são tão bem acolhidas que acabam por ficar a viver lá. Carolina a trabalhar como cozinheira e Issy faz uma boa amizade com a filha da dona do pub.
O que eu mais gostei no livro foi facto de não ser um romance banal, a autora traz-nos todo um mistério por detrás da separação, o aparecimento de personagens de vêem complicar ainda mais a história, e também como é claro um romance. Contudo na minha opinião o romance que acaba por acontecer é tão simples, que quase passa despercebido na teia de confusões que se instalam na vida de Caroline.
Quanto às personagens a minha preferida foi a Caroline. A força e coragem dela, de largar a boa vida que tinha e partir à procura do seu novo destino é algo que para mim é de uma coragem enorme.
Aconselho que leiam este livro e depois digam o que acharam!!
A Minha Classificação:



Outras Capas


Viagem ao Passado: Oasis


Hoje viajaremos até aos anos 90, onde a banca Oasis iniciara a sua carreira musical em 1991, mas só em 1994 é que apareceram no cenário mundial, como uma marco do tradicional rock britânico. São uma das bandas mais influentes da geração anos 90 e uma das bandas britânicas mais bem sucedidas da história, tendo vendido mais que 70 milhões de discos desde 1994.
A banda era formada por Liam Gallagher na voz, Noel Gallagher na Guitarra e Voz, Gem Archer na Guitarra, Andy Bell no Baixo e Chris Sharrock na Bateria.
Lançaram 6 álbuns de estúdio, tendo o primeiro álbum da banda, "Definitely Maybe", foi lançado em 1994 e é o terceiro álbum de estreia que mais rapidamente vendeu na história do Reino Unido.
No dia 28 de agosto de 2009, Noel Gallagher anunciou a sua saída da banda, fazendo com que o futuro da banda ficasse incerto, e pouco mais de um mês depois, no dia 8 de outubro, Liam anunciou, numa entrevista ao The Times, o fim da banda.
Das músicas mais conhecidas é de destacar, Wonderwall, Don't Look Back In Anger, Champagne Supernova, Stop Crying Your Heart Out, Don't Go Away, e muitas mais!






Espero que tenham gostado e até à próxima viagem!

Cinema: Panda do Kung Fu 3


Título original: Kung Fu Panda 3
De: Alessandro Carloni, Jennifer Yuh
Com: Jack Black (Voz), Angelina Jolie (Voz), Dustin Hoffman (Voz)
Género: Animação, Comédia
Classificação: M/6

Sinopse:
O panda Po está de volta ao grande ecrã para viver a mais emocionante aventura da sua vida. Desta vez, o acaso fá-lo reencontrar Li, o seu pai biológico, há muitos anos desaparecido. Apesar do desagrado do Sr. Ping – o ganso que o criou com todo o amor e afeição –, Po decide partir com Li para um paraíso secreto de pandas. Lá, inserido no meio de outros iguais a si, ele vai finalmente sentir-se em casa. Porém, quando o terrível Kai começa a percorrer a China derrotando todos os mestres e sábios, o nosso panda tem de tentar o impossível: treinar uma aldeia de seres gordos e desajeitados e torná-los num destemido grupo de Pandas do Kung Fu. Com Po, cada um deles vai aprender a transformar as suas fraquezas em forças e a descobrir a coragem no mais fundo de si mesmos.

Produzida pelos estúdios DreamWorks Animation e Oriental DreamWorks, uma comédia de animação computorizada que conta com a realização de Jennifer Yuh Nelson e Alessandro Carloni segundo um argumento de Jonathan Aibel e Glenn Berger. Na versão original as vozes são de Jack Black, Angelina Jolie, Dustin Hoffman, J. K. Simmons, Jackie Chan, Lucy Liu, Seth Rogen, David Cross, Bryan Cranston, Kate Hudson, James Hong, Jean-Claude Van Damme e Randall Duk Kim, entre muitos outros. in PÚBLICO

Trailer: 



A Minha Opinião:
Mais um daqueles filmes que vi tarde demais, mas que fui a tempo!
Sou fã da do Panda fofo e este filme foi talvez o melhor, mas vamos primeiro à história. 
Continuamos com o Po, um panda gordinho que tem a missão de virar um mestre de kung fu, mas o seu jeito para coordenar a equipa está a falhar. Além disso o seu pai biológico regressa, e ele fica deslumbrado, o que não agrada nada ao pai, que vê a sua relação afetada com a chegada do seu "rival". Um novo malvado aparece para criar o terror, e compete a Po conseguir derrotá-lo, mas tem que aprender a dominar o seu Chi para conseguir derrotá-lo, indo para a terra dos pandas para conseguir. 
Gostei muito do filme, porque mostra que somos capazes de tudo, apenas temos de nos adaptar às situações. O Po consegue retirar dos pandas o melhor para tentar derrotar Kai, o malvado que quer o Chi dos mestres. 
Depois as personagens também estão excelentes, adorei o facto de o Po acreditar que nasceu de um ovo, talvez um ovo gigante! 
Felizmente temos um Panda do Kung Fu 4 confirmado, por isso é só esperar para o Panda Fofinho voltar!
A Minha Classificação:


Crítica Literária: Nicholas Sparks - Um momento Inesquecível

Um Momento Inesquecível
de Nicholas Sparks 

Título Original: A Walk to Remember
ISBN: 9789892337340
Edição: 03-2017
Editor: Edições Asa
Páginas: 208
Género: Romance

Compre na Wook:
Livro: 15,90€
E-book: 11,99€ 

Sinopse:
Em abril, quando o vento sopra do mar e traz consigo o aroma dos lilases, a memória de Landon Carter desperta para os momentos agridoces que viveu em 1958. Foi nesse ano que conheceu a bela Jamie Sullivan. Ao contrário dele, que era o rapaz mais popular da escola, Jamie era recatada e tímida, preferindo viver no seu próprio mundo, longe das aventuras e dramatismos da adolescência.

O jovem e estouvado Landon nunca teria olhado duas vezes para a insípida jovem, não fosse o Destino juntá-los da forma mais inesperada. E aquela rapariga que parece tão banal tem tanto para lhe ensinar… Com Jamie, Landon vai conhecer os recantos mais profundos do coração humano, e embarcar numa viagem de alegria, amor e perda.

Foi nesse momento que Landon se tornou homem.
Esse será, para sempre, um momento inesquecível.


Inspirado pela vida e a coragem da irmã de Nicholas Sparks, Um Momento Inesquecível foi, até à data, o livro que o autor mais gostou de escrever. Foi também o único que o fez chorar enquanto o fazia.

A Minha Opinião:
Antes de ler o livro, vi o filme interpretado pela Mandy Moore e Shane West, mas com o nome Um Amor para Recordar. Não sei se chegou a ser exibido em Portugal, mas se não foi devia.
O livro conta a história de Jamie uma rapariga bondosa, simpática, que mesmo sendo gozada por todos, mantém um sorriso nos lábios mesmo para com quem a trata mal. Do outro lado temos o narrador da história e personagem principal Landon, que é completamente o oposto de Jamie, é revoltado, goza com todos, incluindo Jamie.
Tudo começa com o Baile, em que por falta de opções só sobra a Landon convidar Jamie. Se alguém lhe tivesse dito que o ia fazer, tempos atrás, ele não acreditava. A noite podia ter sido melhor, se nao acabassem a cuidar da ex-namorada bêbada dele. Contudo é ali que se inicia a história de amor deles.
Eu gostei do livro, mas fiquei desiludida em comparação com o filme. Normalmente costuma ser ao contrário, o livro é bom e o filme desilude, mas desta vez eu fui em sentido contrário, porque vi primeiro o filme, e é um dos meus preferidos.
A história parece que é uma correria, tudo acontece tão depressa, enquanto no filme parece que tudo tem mais calma. Outra das coisas que menos gostei foi as cenas que mais me emocionaram no filme, não existiam no livro. Eu lia à espera de encontrar o queria e no fim nada.
De uma forma global o livro não é nada mau, mas tendo em conta as minhas expectativas, o livro ficou muito aquém do que eu esperava.

A Minha Classificação:




Outras Capas:


Tag: A Minha Música

Olá, hoje trago-vos uma tag sobre música, uma das coisas que mais adoro. Chama-se "A Minha Música" e sem dúvida de cada uma destas músicas fazem parte da minha playlist das mais ouvidas!
Uma música Favorita
Para mim é muito complicado dizer qual é a minha música favorita, ando constantemente a ouvir músicas diferentes, mas a que estou a ouvir mais é esta do Bryan Adams.

Uma música que vai tocar no teu casamento
Adoro esta música, e acho que seria ideal para tocar no meu casamento. É dos White Lion e chama-se Till Death Do Us Part.

Uma música que dançarias agora
Esta é a música de verão que me fez dançar. Tornou-se um fenómeno que não se esperava e o ritmo explica o porquê dele.

Uma música que ninguém esperava que gostasses
Acho que é esta!

Uma música que gostes em segredo 
Talvez por ser uma música meia infantil, mas eu gosto mesmo 😌

Uma música que gostas de adormecer
É uma das músicas que gosto recentemente!

Uma música que te lembra a adolescência
Quem for geração Morangos com Açucar conhece e adora esta música!

Estas são as minhas músicas, e vocês conhecem alguma? Convido todos a responder a esta tag!!


Vou Para A Universidade E Agora? - A Minha Expência


Passou uma semana do inicio de aulas para os Caloiros, e está na hora de fazer balanços.
Hoje vou dar a minha experiência na Universidade como episódio final da nossa série.

Já estou no terceiro ano de faculdade, por isso já vivi e vi muita coisa. Inicialmente entrei em Sociologia na FEUC, porque sabia que não conseguia entrar em Gestão nem em Economia e era mais fácil na transferência depois. Contudo, havia uma esperança em entrar na 2ª fase, mas o meu ano foi o das médias gigantes devido à facilidade do exame de matemática (para os outros, porque eu tirei má nota), e por 0.05 não entrei em Economia. Admito que fiquei bastante desiludida, afinal tinha quase certeza que entrava com uma média de 15,05 valores, mas não deu. Nem queria tentar a 3ª fase, afinal quais seriam as hipóteses? Inclusive disse a uma colega que não me ia inscrever porque não queria ouvir mais um "Não", e ela respondeu-me, "Ainda vais ouvir muitos". O que interessa é que acabei por me inscrever e entrar, apenas com 4 vagas.
Hoje olhando para trás, e ouvindo o que hoje algumas colegas ainda me dizem, eu nem pensei na matéria que ia perder e que perdi realmente. Entrei 1 mês mais tarde do que os da primeira fase, tive 1 mês de matéria a menos que os outros, tive de fazer testes de matéria que nem dei nas aulas, porque não fui a tempo, e durante o tempo que estive a viver isso nem pensei que devia desistir. Disseram-me que no meu lugar desistiam, mas isso nunca me passou pela cabeça, nem nunca teve em opção.
Com isto quero-vos dizer que não desistam quando as coisas ficam difíceis, e se não entraram no querem, não excluam a 3ª fase de candidaturas. Eu sou um caso vivo de que é possível fazer todas as disciplinas de 1º ano entrando na 3ª fase, não tirei as melhores notas, mas consegui.

Quanto ás famosas praxes, eu fui praxada, já praxei e praxarei este ano, apesar de ter pouco tempo para essas aventuras. Eu não sou muito de brincadeiras de gritar, dizer asneiras e afins, mas tinha em mente experimentar, tirar as minhas próprias conclusões, e assim fiz.
Eu fui praxada no primeiro curso onde entrei, e adorei completamente participar. Primeiro de tudo, foram super simpáticos, e tentaram fazer coisas engraçadas para que não desistíssemos da praxe. Eles tinham tido uma experiência negativa, e não quiseram fazer o mesmo aos outros.
Com isto eu quero dizer, vão à praxe, e tirem as vossas conclusões, não é porque o vosso vizinho não gostou, ou porque na televisão mostram sempre as piores coisas que realmente a praxe é má. Depende de local para local, e de ano para ano, porque as pessoas vão mudando e as mentalidades também.

Com isto tudo o que eu vos quero transmitir é que lutem pelo que querem, e não desistam quando uma adversidade parece na vossa frente. Vai ser difícil, doloroso até, mas quando fazemos as coisas por gosto, tudo é mais fácil e divertido.
Eu tive uma experiência de luta, mas sou tão distraída que só agora, passados quase 2 anos, é que me apercebi do feito que consegui fazer. Sim, eu entrei na terceira fase, sim eu fiz todas as cadeiras de 1º ano, e sim tive colegas de 1ª fase e de 2ª fase que não o conseguiram fazer. Por isso, o vosso sucesso depende de vocês!
Um excelente ano letivo para todos e Boas Aulas!

Cinema: Trolls


Título original: Trolls
De: Mike Mitchell, Walt Dohrn
Com: Anna Kendrick (Voz), Zooey Deschanel (Voz), Justin Timberlake (Voz)
Género: Animação, Comédia
Classificação: M/6

Sinopse:
Os trolls são pequenas e doces criaturas cujas cores chamativas e cabelos pontiagudos os tornam ainda mais adoráveis. A sua alegria é diariamente demonstrada em cantigas, danças e abraços incessantes. Mas têm outra característica que em nada os favorece: um sabor delicioso. São por isso muito apreciados pelos bergens, os seus antípodas em termos de beleza, tamanho e sentido de humor. É neste contexto que Poppy, a líder mais optimista e feliz que alguma vez existiu, se vê obrigada a salvar a sua tribo das garras dos seus inimigos. A seu lado – para o bem e para o mal – terá Branch, um pequeno troll que, ao contrário da maioria, é altamente paranóico, pessimista e de mau feitio. Apesar das claras diferenças das suas personalidades, e do modo diametralmente oposto como encaram a vida, os dois acabam por compreender que têm muito que aprender um com o outro…

Um filme de animação computorizada, em ritmo de musical, que dá vida aos famosos "trolls da sorte", bonecos criados pelo lenhador dinamarquês Thomas Dam (1909-1986). A realização fica a cargo de Mike Mitchell ("Gigolo Profissional", "Shrek para Sempre", "Alvin e os Esquilos 3: Naufragados") e Walt Dohrn (na sua estreia em realização em cinema). Na versão original, as vozes são dos actores Anna Kendrick, Justin Timberlake, Zooey Deschanel, Russell Brand, James Corden e Gwen Stefani. in PÚBLICO

Trailer:

A Minha Opinião:
Este foi mais um daqueles filmes que eu vi bem mais tarde do que a maioria das pessoas. Apesar de já ouvir a música do Justin Timberlake "can't stop the feeling" à bastante tempo, ainda não me tinha dedicado a ver o filme. 
A animação conta a história dos Trolls, criaturas pequena e muito adoráveis e que supostamente trazem alegria aos Bergens, uns monstros feios, que acreditam que só serão felizes se comerem um Troll. Numa oportunidade conseguem fugir das mãos dos bergens, e criam o seu próprio reino. Passados muitos anos, Poppy a futura rainha tem a ideia de dar uma festa, apesar de Branch, um troll que é muito paranóico com os bergens, lhe dizer que é um erro. Ninguém liga nada ao resmungão e o que acontece é que os bergens vêem a festa e invadem-na levando alguns trolls consigo. Depois começa a jornada para salvar os capturados. 

Eu achei a história interessante, mas também não mostrou nada de extraordinário. Na minha opinião era muito previsível, e a partir do inicio da história era fácil chegar a um final, claro que com algumas surpresas, mas nada de especial. 
Quanto ás personagens, achei que foram aos extremos, a Poppy demasiado inconsequente enqunto o Branch, muito pessimista, apesar de mostrar o seu lado mais sentimental. 
É um bom filme para ver em família, pois mostra que a felicidade de cada um depende de si, e que não existe nenhuma fórmula para lá chegar. 

A Minha Classificação:




Crítica Literária: Vicente Alves do Ó - Marylin à Beira Mar

Marylin à Beira-Mar
de Vicente Alves do Ó


ISBN: 9789895560066
Edição ou reimpressão: 08-2012
Editor: Oficina do Livro
Idioma: Português
Páginas: 220
Género: Romance

Compre Aqui:
Livro: 14,90€
Ebook: 10,49€ 

Sinopse:
Narrada pelo filho, esta é história de Laura, uma mulher pouco convencional que desafia os limites do permitido no Portugal conservador dos anos 50. Laura foge do marido que a maltrata e descobre o universo dos sonhos e do amor, onde finalmente lhe é consentida alguma liberdade. 
Tendo como o pano de fundo a figura quase omnipresente de Marilyn, ídolo de Laura. 
Livro intenso, provocador, adaptado ao cinema por António da Cunha Telles (Kiss me).

A Minha Opinião:
Lembro-me que comprei este livro numa promoção de hipermercado, era leve 3 e pague 2. O que me chamou à atenção foi o nome do livro e a capa. Fiquei bastante curiosa para ver o que ia sair dali, afinal o quer teria a Marilyn a ver com Portugal? Foi o que fiquei a descobrir.
O livro conta a história de Laura, mas narrada pelo seu filho mais novo, Simão. Laura é uma mulher forte, em pequena era a protegida do pai, a menininha dos seus olhos, o que criava na sua mãe alguma revolta, deste modo assim que o pai falece, a mulher arranja maneira de casar a filha. Contudo o casamento está longe de correr bem, e Laura foge e é obrigada a abandonar o filho. Acaba por encontrar paz em casa da tia, vinda da América tinha uma vida completamente diferente do que Laura conhecia, e foi ela a sua salvação.
O livro mostra um Portugal conservador, em que um homem bater numa mulher é normal, que o divórcio é um pecado, e outras coisas horríveis que se praticavam naquela época. O que mais me incomodou, foi submissão da mulher no seio familiar, algo que foi contrariado por Laura, que foi falada e falada na vila por tudo o que fazia. Uma mulher não fumava, não conduzia e não vestia calças, coisas que para nós hoje em dia fazem parte do quotidiano à 50 anos atrás era pecado.
Quanto às personagens a minha preferida foi a própria Laura, ela era dona de si própria (a partir de uma certa parte da história) e lutou para ter a sua vida, e isso é um exemplo.
O que menos gostei no livro, foi as descrições que eram muitas, mas isso já é defeito meu. De resto gostei bastante do livro, e aconselho a lerem!

Trailer
É verdade, houve um filme do livro. Estrelado pela apresentadora Marisa Cruz, conta com nomes de Rui Unas, Nicolau Breyner e Manuel Wiborg. Estreou em 2004, e admito que o trailer não é assim grande coisa!

A Minha Classificação: